As Aparições e as Almas no Purgatório

                

As aparições para Pio começaram quando ele era ainda uma criança. O pequeno Francisco não falava de suas aparições porque acreditava que elas ocorriam a todas as almas. As aparições eram de Anjos, de Santos, de Jesus, de Nossa Senhora mas, às vezes, também de diabos. Nos últimos dias do mês de dezembro de 1902, enquanto ele estava meditando sobre sua vocação. Francisco teve uma visão. Aqui está a descrição que ele fez depois de vários anos ao seu confessor. Ele viu ao seu lado um homem imponente, de beleza rara, resplandecente como o sol que o pegou pela mão e o encorajou com este convite: “Venha comigo porque é conveniente lutar como um bravo guerreiro”. Francisco foi conduzido a um grande campo, entre uma multidão de homens que estava dividida em dois grupos. Em um grupo haviam homens com uma face muito bonita e vestidos com roupas brancas, brancas como a neve, e no outro grupo haviam homens de aspecto horrível, vestidos com roupas pretas, eles pareciam sombras. Francisco estava no meio dos dois grupos de espectadores e viu um homem alto, tão alto que podia tocar com a testa as nuvens, tinha um rosto horroroso e veio ao seu encontro. O personagem resplandecente que estava a seu lado exortou Francisco a lutar contra o homem monstruoso. Francisco rezava para evitar a fúria daquele homem horrendo, mas o homem luminoso não aceitou, e disse:  - Sua resistência é inútil, vale a pena lutar contra este caráter ruim. Por favor, seja fiel e entre confiante na luta, avance atrevidamente, eu estarei perto de você.FOTO1.jpg (3604 byte) Eu o ajudarei e não permitirei que ele o derrote. Francisco encorajado iniciou a luta e ela foi terrível. Com a ajuda do homem luminoso que sempre estava perto dele, Francisco ganhou a briga. O homem monstruoso foi forçado a correr e ele arrastou toda aquela multidão grande de homens de aspecto horrendo, entre uivos, maldições e gritos. A outra multidão de homens de aspecto bonito, gritava elogios e aplaudia quem tinha ajudado o pobre Francisco naquela grande batalha. O homem esplêndido e luminoso, mais luminoso que o sol, colocou na cabeça de Francisco vitorioso, uma coroa maravilhosa que não é possível descrever. Mas a coroa foi retirada da cabeça de Francisco e o bom homem disse: “Outra coroa, mais bonita que esta, eu preservei para você. Se você souber lutar com aquele homem horrível, como você lutou agora. Ele sempre voltará à agressão...combate com bravura e não terá qualquer dúvida de minha ajuda... não se preocupe com a força dele... eu estarei sempre perto de você, eu sempre o ajudarei, e você será vencedor. Tal visão foi seguida por reais batalhas com o Diabo. Padre Pio enfrentou com efeito, várias batalhas contra o “inimigo das almas”, o seu propósito era de arrancar as almas das cadeias de Satanás.

Numa tarde o padre Pio estava em um quarto, localizado na parte baixa do convento, destinado para casa de hóspedes. Ele estava só e descansando sobre o sofá, quando de repente, apareceu um homem envolto em uma capa preta. O padre Pio, surpreso, ergueu-se e perguntou para o homem quem ele era e o que ele queria. O estranho respondeu que era uma alma do Purgatório. "Eu sou Pietro Di Mauro".Disse-lhe então"eu morri em um incêndio neste convento, em 18 de setembro 1908,. Na realidade este convento, depois da desapropriação dos bens eclesiástico, tinha sido transformado em uma casa de repouso para anciões. Eu morri entre as chamas quando eu estava dormindo, em meu colchão feito de palha, exatamente neste quarto. Eu venho do Purgatório: O bom Deus, deixou-me vir até aqui e lhe pedir que celebre para mim a santa missa da amanhã de manhã para o meu descanso eterno. Graças a esta Missa eu poderei entrar no Paraíso". - Padre Pio falou para o homem que ele teria a missa santa para a sua alma.. o Padre Pio contou: "Eu, queria leva-lo até a porta do convento para me despedir quando repentinamente para minha surpresa ele desapareceu. Eu seguramente percebi que havia falado com uma pessoa morta, na realidade, tenho que admitir que eu reentrei no convento bastante amedrontado. O Padre Superior do convento, Monsenhor Paolino de Casacalenda, notou meu nervosismo, e então contei-lhe o que havia acontecido . Ai então lhe pedí a permissão para celebrar a Santa Missa da manhã seguinte em voto daquela alma necessitada,. Alguns dias depois, Padre Paolino, despertado pela curiosidade foi até o escritório de registro de óbitos da comunidade de St. Giovanni Rotondo, e pediu a permissão para consultar o livro de registro de óbitos do ano de 1908. Após a consulta ele pode então verificar que a história do Santo Padre Pío era verdadeira, pois no registro relacionado às mortes do mês de setembro, Padre Paolino achou o nome, o apelido  e a razão da morte: No dia 18 de setembro de 1908, no incêndio da casa de repouso morreu o Sr. Pietro Di Mauro. 

A Sra. Cleonice Morcaldi de San Giovanni Rotondo (seguidora espiritual do padre Pio). Depois de um mês da morte de sua mãe, Padre Pio chegou para a Sra. Cleonice após o termino da confissão e disse: "Nesta manhã a sua mãe foi para Céu eu a vi enquanto estava celebrando a Santa Missa." Por isso queira decidir a data em que devo celebrar uma missa oferecendo ao descanso eterno da alma de sua mãe.

Padre Pio contou a seguinte  história ao Padre Anastasio. "Uma tarde, enquanto eu estava rezando só, eu ouvi o sussurro de um terno e eu vi um monge jovem que se mexeu próximo ao altar. Parecia que o monge jovem estava espanando os candelabros e regando os vasos das flores. Eu pensei que ele era o Padre Leone que estava reestruturando o altar e como era a hora do jantar, eu fui próximo a ele e lhe falei: Padre Leone, vá jantar, não está na hora de espanar e consertar o altar". Mas uma voz que não era a voz do padre Leone  me respondeu: Eu não sou o Padre Leone.-Então perguntei: Quem é você?. A voz então respondeu - "Eu sou um irmão seu que fez o noviciado aqui. Minha missão era que eu limpasse o altar durante o ano do noviciado. Desgraçadamente eu durante todo esse tempo eu não reverenciei a Jesus Sacramentado Deus todo Poderoso, todas as vezes que passava em frente ao altar. Causando grande aflição ao sacramento santo por causa da minha irreverência. Por este descuido sério, eu ainda estou no Purgatório. Agora, Deus, com a sua bondade infinita, enviou-me aqui para  que você estabeleça o dia em que eu passarei a desfrutar o Paraíso. É para você cuidar de mim.. " Eu creio ter sido generoso com àquela alma de sofrimento e assim exclamei: "você estará a manhã pela manhã ao Paraíso, quando eu celebrar a Santa Missa". Aquela alma chorou e disse: "Cruel de mim, que malvado eu fui”. Então ele chorou e desapareceu. Aquela exclamação me produziu uma ferida no coração, que eu senti e sentirei a vida inteira. Na realidade eu teria podido enviar aquela alma imediatamente ao Céu, mas eu o condenei a permanecer outro noturno nas chamas do Purgatório.”

 

     Padre Pio escreveu um pouco de suas experiências nas cartas enviadas ao seu conselheiro espiritual:

Carta para o  Padre Agostino datada de 7 de abril de 1913: "Meu querido Padre, eu ainda estava na cama na sexta-feira pela manhã, quando Jesus apareceu diante de mim. Ele se encontrava golpeado e desfigurado. Ele  mostrou-me  uma grande multidão de padres entre os quais, dignitários eclesiásticos indiferentes que estavam celebrando e vestindo suas sagradas túnicas. Quando eu vi o meu Jesus nestas condições, senti um grande sofrimento, em seguida  perguntei-lhe  porque tanto sofrimento. Ele não me respondeu. Porém mostrou-me os sacerdotes que eu deveria castigar. Pouco depois o Senhor estava tristissimo ao olhar estes sacerdotes e eu notei com grande horror as enormes lagrimas que emanavam do seu santo rosto. Jesus saiu daquela multidão de padres e com uma grande expressão de desgosto em seu olhar, chorou': "Açougueiros! " Então eu me pergunto!: "Minha Criança, não creia que minha agonia foi de três horas, não; de fato eu estarei em agonia até o fim do mundo por causa das almas que eu amo. Durante o tempo da agonia, minha criança, ninguém pode dormir. Minha alma está procurando alguma gota de piedade humana, mas eles me deixam só debaixo do peso da indiferença. A ingratidão é a mais severa agonia para mim. Eles correspondem mal a meu amor! O tormento maior para mim é que cresçam  nas pessoas o desprezo a indiferença e a incredulidade. Quantas vezes minha ira fez-me golpeá-los  através de raios, mas eu fui parado pelos anjos e as almas que me amam.... Escreva a seu padre e o narre o que você viu e eu te oriento esta manhã. Mande que mostre tua carta ao padre provinciano... " O Jesus continuou falando mas eu nunca posso revelar o que ele disse.."  

(PADRE PIO DA PIETRELCINA: Epistolario I° (1910-1922) a cura di Melchiorre da Pobladura e Alessandro da Ripabottoni - Edizioni "Padre Pio da Pietrelcina" Convento S.Maria delle Grazie San Giovanni Rotondo - FG)

Carta para o Padre Agostino datada em 13 de fevereiro de 1913:- Nosso Pai Jesus Cristo me revelou”Não se preocupes, em eu tê-lo  feito sofrer, pois eu também te darei a força”— Eu desejo que a tua alma se purifique com o martírio o culto diário; não te assustes se eu permito ao diabo atormentaste, e ao mundo para repugna-lo, porque ninguém ganhará contra essas pessoas que sofrem abaixo da cruz por meu amor as quais  eu decidi protegê-las”

(PADRE PIO DA PIETRELCINA: Epistolario I° (1910-1922) a cura di Melchiorre da Pobladura e Alessandro da Ripabottoni - Edizioni "Padre Pio da Pietrelcina" Convento S.Maria delle Grazie San Giovanni Rotondo - FG)

 

Carta para o Padre Agostino, em 18 de novembro de 1912”... Jesús, sua estimada mãe e o Anjo Guardião, estiveram visitando-me com outros para animarme, disseram-me que eles não ouviram dizer-me que a vitima, de ser chamado a vitima, tem de perder todo seu sangue.”

(PADRE PIO DA PIETRELCINA: Epistolario I° (1910-1922) a cura di Melchiorre da Pobladura e Alessandro da Ripabottoni - Edizioni "Padre Pio da Pietrelcina" Convento S.Maria delle Grazie San Giovanni Rotondo - FG)

Carta para Padre Agostino datada 12 de março de 1913: "... meu padre, escute as reclamações de nosso doce Jesus: É reembolsado "meu amor para os homens com tanto ingratidão! Essas pessoas teriam me ofendido se eu os tivesse amado menos. Meu padre não queira os agüentar mais. Eu gostaria de deixar de amá-los, mas... (E aqui o Jesus manteve silencioso e, logo depois me  disse) mas meu coração é feito por amor! Os homens cansados não fazem qualquer esforço para ganhar das tentações. Mas também estes homens desfrutam as suas injustiças. As alas que eu mais amos são as que quando sofrem uma tentação e quando elas não têm êxito resistido, me invocam pedindo ajuda e eu me presto e as fortifico em suas tentações. As almas fracas se desanimam e desesperam-se. As almas fortes que confiam em Jesus, me chamam eu venho para relaxa-los. Eles me deixam só durante a noite e pela manhã na igreja.  Eles não levam ao cuidado do sacramento do altar; eles não falam mais deste sacramento de amor; e também as pessoas que falam deste sacramento, falam com tanto indiferença e frieza. De meu Coração foi esquecido; ninguém leva ao cuidado de meu amor; Eu sempre sou entristecido. Minha casa tornou-se um teatro de obras para muitas pessoas; até mesmo meus padres que eu sempre protegi cuidadosamente, que eu amei como aluno de meu olho; eles deveriam confortar meu coração cheio de amargura; eles deveriam me ajudar na redenção das almas, em troca.Quem acreditaria nisto? Eu recebo ingratidão deles. Eu vejo, meu Filho, muito eles que... (Aqui ele parou, o soluça apertado a garganta, ele chorou) que debaixo de falsa semelhança eles me traem com comunhões sacrílegas, enquanto estampando na luz e as forças que eu lhes dou continuamente..."

(PADRE PIO DA PIETRELCINA: Epistolario I° (1910-1922) a cura di Melchiorre da Pobladura e Alessandro da Ripabottoni - Edizioni "Padre Pio da Pietrelcina" Convento S.Maria delle Grazie San Giovanni Rotondo - FG)

 

Carta para Padre Benedetto no dia 17 de dezembro de 1917: Em 1917, Padre Pio não hesitou implorar Nosso Deus para ter paz no Mundo. Ele conta: "Durante um das aparições de Jesus para mim, perguntei eu se Ele pudesse ter compaixão das Nações pobres. As Nações estavam sofrendo para a guerra. Eu perguntei se a Clemência Santa pudesse acontecer da Justiça Santa. Mas ele só me respondeu com um sinal da mão. Ele quis dizer: reduza a velocidade, lento... Mas... quando? Eu perguntei a ele. Ele ficou sério e com um pequeno sorriso na boca dele, Ele olhou para mim e Ele me deixou sem falar."

(PADRE PIO DA PIETRELCINA: Epistolario I° (1910-1922) a cura di Melchiorre da Pobladura e Alessandro da Ripabottoni - Edizioni "Padre Pio da Pietrelcina" Convento S.Maria delle Grazie San Giovanni Rotondo - FG)

linea.gif (3372 byte)

Biografia   expbul1a.gif (699 byte)   Milagres   expbul1a.gif (699 byte)   Recuperações   expbul1a.gif (699 byte)   Bilocação   expbul1a.gif (699 byte)   Os Perfumes  expbul1a.gif (699 byte) Conhecimento sobrenatural   expbul1a.gif (699 byte)   Aparições    expbul1a.gif (699 byte)    Levitação    expbul1a.gif (699 byte)   O Anjo da Guarda    expbul1a.gif (699 byte)    O Diabo    expbul1a.gif (699 byte)    Orações    expbul1a.gif (699 byte)    O Santo Rosário    expbul1a.gif (699 byte)    Novena para São Pio     expbul1a.gif (699 byte)   Os Dez Mandamentos expbul1a.gif (699 byte)

 

HOMEPAGE